Angola quer língua portuguesa nas reuniões regionais da FAO

22 November 2005

Luanda, Angola, 22 Nov – A introdução da língua portuguesa como uma língua de trabalho na Conferência Regional Africana da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), em 2006, está a ser discutida em Roma por proposta do governo angolano.

Reunidos desde sábado passado na capital italiana para a 33ª sessão ordinária da Conferência Geral da Organização, os ministros estão a analisar a proposta de Gilberto Buta Lutukuta, titular da pasta da Agricultura e Desenvolvimento Rural de Angola, para que a língua portuguesa seja autorizada a ser uma língua de trabalho dos encontros regionais do continente africano a partir de 2006.

Esta proposta tem o apoio da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e de outros estados africanos.

O português é já uma das línguas de trabalho de importantes organizações em África, casos da União Africana, Conselho para o Desenvolvimento da África Austral (SADC), Organização Africana da Madeira e Comunidade dos Estados da África Central.

Por outro lado, a conferência iniciada no sábado passado elegeu o senegalês Jacques Diouf para director-geral da Organização, pela terceira vez consecutiva, para um mandato de seis anos, de 2006 a 2011.

Estando presentes os representantes de 165 dos 188 membros, a votação registou 137 votos a favor, nove contra, número igual de abstenções e 19 votos inválidos. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH