Associação portuguesa de industriais têxteis incentiva parcerias e estratégia de longo prazo na abordagem ao mercado chinês

19 December 2005

Porto, Portugal, 19 Dez – Os industriais têxteis portugueses que pretendam iniciar negócios com a China devem fazê-lo através de parcerias e numa óptica de longo prazo e apostar na comercialização de marcas próprias, afirma a principal associação do sector.

Esta foi uma das conclusões saídas de uma sessão de trabalho para efectuada pela associação ANIVEC/APIV, em que foi feito um balanço da uma missão empresarial que no final de Outubro último levou 12 empresários portugueses à China.

Para José Ribeiro, da direcção da associação, “é imperioso compreender e interiorizar que o caminho acertado é crescer com a China e não à custa da China”, implicando o conhecimento de mercado e a existência de parceiros no terreno.

A visita de 10 dias promovida pela associação a Pequim, Ningbo, Shangai, Shenzen e Hong Kong, levou os empresários a conhecer armazéns de distribuição, centros comerciais e mercados, fábricas, associações locais, além de uma da feira de moda Ningbo Fashion Festival, uma das mais importantes do país.

De acordo com a ANIVEC/APIV, os objectivos da missão empresarial centraram-se na prospecção de mercado e análise do perfil do consumidor final, na identificação de potenciais clientes e fornecedores e no contacto e visita a indústrias locais.

Estiveram representadas na delegação portuguesa as empresas Irsil, Sonicarla, Ernestino Miranda, Summavielle e Amorim, Marfel, Olmac e Chapuis & Alves. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH