Italiana ENI fica com participação de até 40 por cento no Bloco 15 de Angola e procura parceiros

24 April 2006

Roma, Itália, 24 Abr – A italiana ENI terá uma participação de até 40 por cento no consórcio que explorará as partes remanescentes do Bloco 15 do “off-shore” angolano, a atribuir pela Sonangol, afirmou sexta-feira em Roma o presidente da empresa.

Paolo Scaroni, citado pelas agências noticiosas, disse ainda que a ENI (Ente Nazionale Idrocarburi) está a negociar a entrada de outras petrolíferas no mesmo bloco.

“O processo de decidir quem será o operador e quem será o parceiro está em andamento, por enquanto não é possível dar uma reposta”, adiantou Scaroni.

A ENI ofereceu no início do mês 900 milhões de euros pelos direitos de exploração das áreas virgens do bloco 15, lançadas a concurso pelas autoridades angolanas, e terá assim de desembolsar 360 milhões de euros pela participação máxima pretendida, explicou Scaroni.

“Estamos optimistas, simplesmente porque somos o maior ofertante”, disse Scaroni o presidente da empresa, que enfrenta nove propostas concorrentes às novas áreas do Bloco 15.

A ENI é a operadora do Bloco 1, de águas pouco profundas, que confina com o 15, operado pela norte-americana Exxon Mobil.

Os campos actualmente em produção no Bloco 15 – Xikomba e Kizomba A e B – têm uma produção diária de perto de 500 mil barris.

A Sonangol lançou a concurso também os direitos de exploração de três outros blocos “off-shore” – 17, 18 e 26 – e de três em águas rasas – 1, 5 e 6.

Foram recebidas 21 propostas para estes blocos, com os preços a atingirem “recordes mundiais”, segundo anunciou a petrolífera pública angolana, e as vencedoras serão anunciadas já em Maio.

Angola é actualmente o segundo maior produtor de petróleo da África sub-saariana, com uma produção diária de perto de 1,4 milhões de barris. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH