Governo moçambicano pretende novos investidores para empresa de flores

1 June 2006

Maputo, Moçambique, 01 Jun – O governo moçambicano pretende encontrar novos gestores para a Vilmar Roses, a maior empresa de produção de flores no centro de Moçambique, abandonada em Janeiro pelos seus accionistas zimbabueanos e zambianos, indicou terça-feira fonte oficial.

Além da paralisação da produção e exportação de flores, sobretudo para a Europa, a saída dos antigos accionistas da Vilmar Roses deixou 244 trabalhadores sem emprego e dívidas em impostos equivalentes a 36 mil euros.

O abandono da Vilmar Roses, que no ano passado exportou o equivalente a 218 mil euros em flores, é mais um exemplo da crise que estão a atravessar os agricultores zimbabueanos que se fixaram no centro de Moçambique, após perderem as suas terras no seu país.

O director da Indústria e Comércio da Província de Manica, António Machamale, afirmou que os esforços para que a Vilmar Roses volte a produzir e exportar flores contam com a Agência Norueguesa para o Desenvolvimento (NORSAD), que também financiou as actividades da empresa quando ainda era detida pelos farmeiros zimbabueanos e zambianos.

Apesar do impacto negativo da suspensão das actividades daquela firma na economia de Manica, a província arrecadou o equivalente a 6,5 milhões de euros em exportações, no primeiro trimestre deste ano, acrescentou o director da Indústria e Comércio da Província de Manica. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH