Bolsa de Valores de Cabo Verde regista volume de negócios histórico

2 June 2006

Cidade da Praia, Cabo Verde, 02 Jun – A Bolsa de Valores de Cabo Verde (BVCV) registou esta semana o volume de negócios mais elevado de sempre, graças à alta das acções da Sociedade Cabo-Verdiana de Tabacos (SCT), recém-entrada no mercado de capitais.

A Bolsa, relançada no final de 2005 depois de um período de estagnação, alcançou um volume de negócios diário de 12,2 milhões de escudos cabo-verdianos (142.300 dólares), o mais elevado em registo, revela o último boletim da entidade reguladora do mercado accionista.

O título mais negociado do dia foi o da SCT, num total de 1.910 acções, ao preço de 6.385 escudos cabo-verdianos, ficando por executar ordens de compra devido à elevada procura registada.

Esta empresa distribuiu recentemente o maior dividendo do ano no mercado de capitais do país, 577 escudos por acção, num total de 138,6 milhões de escudos, 95 por cento do resultado do ano passado.

De acordo com o boletim da BVCV, o título que revela maior disponibilidade é o do Banco Comercial do Atlântico, com os preços de oferta a variarem entre 3.400 escudos e 3.700 escudos, consoante o número de acções oferecidas.

A dispersão de perto de 22 por cento do capital da SCT, juntamente com a do BCA, em Dezembro do ano passado, foi uma das medidas da direcção do mercado de capitais para relançar o mercado de capitais, procurando dar-lhe um lugar de destaque no contexto regional.

Na altura, a procura procura de acções da SCT correspondeu a mais do dobro do número de títulos disponíveis, no que foi interpretado como um sinal de mais actividade do mercado.

Além da abertura de capital, as autoridades publicaram ainda nova legislação para flexibilizar as operações financeiras e incentivar a cotação de empresas privadas.

O BCA, o maior banco do país, anunciou distribuiu também recentemente pelos accionistas 75 por cento dos seus resultados de 2005, mais 15 por cento do que no ano passado, um total de 153,8 milhões de escudos.

Com o objectivo de criar uma plataforma financeira no arquipélago, as autoridades cabo-verdianas estão a preparar três novas ofertas públicas de venda, de empresas de combustíveis (Enacol) e medicamentos (Inpharma e Emprofac), além de um novo mercado de títulos de dívida pública. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH