Norte-americana Gulf deve processar gás natural do projecto Angola LNG

27 June 2006

Luanda, Angola, 27 Jun – O gás natural do projecto Angola LNG, liderado pelas petrolíferas Chevron e Sonangol, deverá ser processado pela Gulf, no seu terminal Clean Energy, no Mississipi.

As empresas líderes do Angola LNG, projecto em que participam a Exxon Mobil, Total e BP, revelaram hoje que estão em “negociações” com a Gulf, para definir um acordo de uso do terminal norte-americano, depois de terem seleccionado em concurso a proposta da gasífera dos Estados Unidos.

O projecto de construção da unidade de processamento “on-shore” de gás
natural, situada no Soyo, província nortenha do Zaire, foi apresentado no ano passado e espera-se que o investimento seja lançado ainda este ano.

“A negociação bem sucedida deste acordo vai permitir que 100 por cento do gás natural liquefeito produzido pela Angola LNG seja recebido na unidade de regasificação Mississipi Gulf Coast”, refere o consórcio.

A unidade tem uma capacidade de produção anual prevista de cinco milhões de toneladas de gás natural liquefeito.

A Angola LNG está a avaliar duas propostas apresentadas ao concurso de engenharia, aquisição e construção das instalações.

Apresentaram-se ao concurso a Bechtel e um consórcio constituído pela Kellogg Brown & Root, JGC e Technip.

O projecto prevê que a Sonangol canalize para a unidade de processamento os recursos gasíferos dos blocos “off-shore”.

O processo tradicional de queima dos gases será proibido em Angola e outros países da região a partir de 2008, obrigando as empresas a armazenar, vender ou processar o sub-produto.(macauhub)

MACAUHUB FRENCH