Sonangol usa qualidade do crude angolano para vingar nos mercados de China, Índia e Coreia

29 June 2006

Luanda, Angola, 29 Jun – A Sonangol quer reforçar as suas vendas nos mercados da China, Índia e Coreia, considerados prioritários, apoiando-se na qualidade do crude angolano para suplantar a concorrência dos países do Médio Oriente.

Hermenegilda Lopes, responsável da Sonangol para os negócios na Ásia, afirmou em entrevista à Bloomberg que no primeiro trimestre deste ano a petrolífera estatal angolana vendeu a refinarias asiáticas 5,9 milhões de barris de crude.

No quarto trimestre do ano passado, adiantou, perto de 32 por cento das exportações angolanas de petróleo foram para a China.

Actualmente, o objectivo é “cobrir o crescimento dos mercados asiáticos, especialmente na China, Índia, Coreia, Taiwan e Tailândia”, apostando na “vantagem de que o petróleo angolano é ‘sweet crude’”.

Angola produz uma qualidade de crude (“sweet crude”) com um teor sulfúrico mais baixo que o de muitas petrolíferas do Golfo Pérsico, tornando mais fácil a refinação para a produção de gasolina e nafta, usada no fabrico de plásticos e têxteis.

Segundo estimativas de analistas, o mercado asiático deverá sustentar 55 por cento do crescimento global da indústria petroquímica nos próximos 10 anos, principalmente graças à actual dinâmica de venda de automóveis.

Hermenegilda Lopez adiantou à Bloomberg que a petrolífera angolana fechou no mês passado os primeiros contratos de venda de crude à Formosa Petrochemical, de Taiwan, e à Indian Oil.

Angola é actualmente o segundo maior produtor de petróleo da África sub-saariana, com uma produção de cerca de 1,4 milhões de barris diários.

Dentro de três anos, ou, segundo algumas estimativas recentes, já em 2007, deverá alcançar os dois milhões de barris diários. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH