Exportações de carvão através do porto moçambicano da Matola ficam aquém do previsto

22 September 2006

Joanesburgo, África do Sul, 22 Set – As exportações de carvão e outros minérios através do porto moçambicano da Matola, arrredores de Maputo, vão ficar aquém do previsto, devido à insuficiência da ligação ferroviária à África do Sul, revelou a gestora da infra-estrutura, Grindrod.

Este ano, as exportações de carvão e magnetite, óxido de ferro, deverão ficar-se por 1,6 milhões de toneladas, 300 mil toneladas aquém do previsto, revelou o director das operações na Matola, John Muller.

O carvão expedido, que tem a sua origem sobretudo na África do Sul, deverá ficar-se por um milhão de toneladas e crescer para 1,7 milhões no próximo ano e 3 milhões em 2008, à medida que a capacidade da linha que serve o porto for expandida, adiantou.

A CFM, empresa pública gestora dos caminhos de ferro moçambicanos, tem em curso importantes investimentos na linha de Ressano Garcia, que liga Maputo à África do Sul, tendo em vista aumentar em oito vezes a capacidade desta infra-estrutura, para 17 milhões de toneladas, até 2010.

A Matola é actualmente o segundo porto mais importante para as exportações de carvão sul-africanas, a seguir a Richards Bay. (macauhub)