Crescimento económico do Timor deverá ser negativo em 2006, diz FMI

23 October 2006

Washington, Estados Unidos da América, 23 Out – A recente crise política no Timor Leste fez descarrilar o “progresso” económico no país e como resultado o crescimento da economia este ano deverá ser negativo, de acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI).

Em comunicado emitido na passada sexta-feira, o FMI diz que antes do início dos conflitos no primeiro semestre deste ano, “Timor Leste tinha registado progressos no estabelecimento de bases para uma economia estável e saudável”.

Em função da crise, “o crescimento económico em 2006 deverá ser negativo, apesar do esperado aumento das despesas públicas e da ajuda internacional do final do ano”, diz o documento.

A riqueza petrolífera e de gás “se usada com eficiência oferece o potencial para um futuro significativamente mais próspero”, acrescenta o comunicado, emitido em Washington no final da visita da delegação do FMI ao Timor, que teve início em 9 de Outubro.

A situação contribuiu também para “o aumento da deterioração no pagamento de empréstimos bancários”, diz o comunicado.

As estimativas do FMI indicam que será preciso um crescimento anual de 7% “ou mais” para se reduzir “significativamente” a pobreza em Timor Leste.

O FMI recomenda ainda que os gastos atuais tenham como alvo “os segmentos mais necessitados da população” e que, ao mesmo tempo, sejam tomadas medidas para impedir “pressões excessivas de procura que possam enraizar a inflação com implicações para a competitividade da economia não petrolífera”.

Por fim, o comunicado reafirma a prontidão do FMI em fornecer a ajuda necessária para ajudar o país a “recuperar da crise e a construir uma economia forte para a redução da pobreza e de rápido desenvolvimento humano”. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH