Portugal foi o maior comprador de cacau são-tomense em 2006

1 March 2007

São Tomé, São Tomé e Príncipe, 01 Mar – Portugal liderou a lista dos países que compraram cacau de São Tomé e Príncipe em 2006, revelou quarta-feira em São Tomé o Instituto Nacional da Estatística, INE, do arquipélago.

De acordo com os dados do INE, Portugal comprou 701 toneladas de cacau que custaram 1,04 milhões de dólares, ou 32,5 por cento das 2.434 toneladas exportadas que geraram receitas de 3,2 milhões de dólares.

Depois de Portugal, seguem-se os Países Baixos com aquisições no valor de 998 mil dólares, França com 527 mil e Bélgica 348 mil dólares.

Em 2005, Portugal havia surgido na segunda posição da lista dos compradores de cacau são-tomense, sendo, ultrapassado pelos por Países Baixos.

Das 2.413 toneladas de cacau que em 2005 renderam ao arquipélago 2,4 milhões de dólares, Portugal comprou 826 toneladas por 964 mil dólares e os Países Baixos 1.127 toneladas por 1,06 milhões de dólares.

Além da Bélgica, França, Países Baixos e Portugal, há também a registar outros potenciais compradores de cacau de São Tomé e Príncipe, nos últimos anos, nomeadamente, Alemanha, Estados Unidos da América e Japão.

Para além da habitual venda em seco e ensacado para exterior, uma parte do cacau em São Tomé e Príncipe passou a ser exportado já transformado em chocolate, há pouco mais de quatro anos, na sequência de uma única empresa criada, na capital são-tomense, por um privado italiano.

O chocolate fabricado pelo italiano Cláudio Corallo na capital de São Tomé, produzido em pequena embalagem de 100 gramas ao preço de 8 a 9 dólares, é normalmente exportado para Itália, Estados Unidos, Portugal e Reino Unidos.

Depois do cacau que encabeça a lista das exportações são-tomenses, seguem-se coco, flores e raízes de plantas, vendidos, nos últimos anos, a Angola, Camarões, Gabão, Nigéria e Portugal. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH