Cerca de dois mil brasileiros trabalham na indústria do calçado em Dongguan, na China

12 March 2007

São Paulo, Brasil, 12 Mar – Cerca de 1.700 brasileiros vivem e trabalham na cidade chinesa de Dongguan, na província de Guangdong, na indústria do calçado o que representa metade do total dos brasileiros que vivem na República Popular da China, escreve o jornal Valor Económico.

Os brasileiros que começaram a chegar à China em 1995, quase todos provenientes do Rio Grande do Sul, trabalham como estilistas, modelistas e técnicos em acabamento de couro, entre outras especialidades da produção de calçados.

A cidade de Dongguan possui hoje lojas, creches, restaurantes, churrascarias e outros serviços voltados essencialmente para a comunidade brasileira residente na cidade.

Os brasileiros fixaram-se em Dongguan atraídos pelas inúmeras empresas locais de calçado, que chamam a si 10 por cento do total da produção mundial de calçado.

A produção de calçado na República Popular da China representa, por seu lado, 60 por cento da produção mundial.

O jornal brasileiro escreve que “sem muitas perspectivas no país por conta da estagnação da produção nacional de calçado, técnicos brasileiros, principalmente do sul do Brasil, vão para a China atraídos pelos bons salários. Enquanto no Brasil um profissional ganha entre 1.800 e 3.000 reais, na China chega a receber até 6.000 reais”.

A emigração de gaúchos para a China começou em 1995, quando o Plano Real, que igualou a moeda brasileira ao dólar, provocou uma quebra nas empresas exportadoras de calçado fazendo com que os agentes americanos importadores de calçado transferissem os escritórios para a China levando consigo os primeiros profissionais brasileiros.

Por trás desse movimento, surgiu uma verdadeira indústria no Rio Grande do Sul com anúncios nos jornais oferecendo vagas na China, agências de recursos humanos conseguindo empregos na China e escritórios de advocacia especializados em regularizar o visto dos técnicos do sector do calçado que pretendiam trabalhar na China.

“O Vale dos Sinos, no estado do Rio Grande do Sul, no Brasil é um grande celeiro de talentos para a produção de calçado”, afirma Ênio Klein, consultor e ex-presidente da Associação Brasileira da Indústria de Calçados (Abicalçados).

Existem na região duas escolas do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) especializadas no sector: a escola de curtimento de couro de Estância Velha e a escola do calçado de Nova Hamburgo.

As fábricas de calçado localizadas em Guangdong começaram, entretanto, a deixar o sul do país em direcção ao norte uma vez que a província de Guangdong começa cada vez mais a especializar-se na indústria de componentes electrónicos.

A cidade de Dongguan, localizada a 50 quilómetros de Cantão e 90 quilómetros de Shenzhen, na fronteira com Hong Kong, tem uma área de 2.465 quilómetros quadrados e uma população de 7 milhões de pessoas.

Nos últimos anos estabeleceram-se em Dongguan 800 companhias estrangeiras nomeadamente dos Estados Unidos ( Dupont, Duracell,GE, PUlse, Wal-Mart, Prudential) do Japão (Sumitomo, Sanyp, Mitsu, Marubeni, NEC, TDK, Minolta, Kyocera, Kawasaki Steel, Hitachi, Ricoh, Nikkon), da França ( Thomson, Carrefour, Framatome), Suiça (Nestlé), Grã-Bretanha ( ICI, Swire), da Holanda (Philips, Akso e Nobel) da Coreia do Sul ( Samsung) e da Finlândia (Nokia).

No primeiro semestre de 2007 realizam-se duas importantes feiras em Dongguan.

A Feira Industrial de Têxteis e Vestuário de Dongguan, China, decorre de 8 a 31 de Março e a Feira de Calçado e de Equipamento para a Indústria do Calçado da China de 18 a 20 de Abril. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH