Capacidade de resposta dos ministérios continua lenta, afirma presidente dos patrões de Moçambique

2 April 2007

Maputo, Moçambique, 02 Mar – A capacidade de resposta de alguns ministérios às solicitações do sector privado continua lenta, sobretudo na introdução de medidas para melhorar o ambiente de negócios, afirmou sexta-feira em Maputo o presidente da Confederação das Associações Económicas de Moçambique (CTA).

Salimo Abdula, que falava durante um conselho alargado de consulta entre o governo e o sector privado, disse ainda que “os empresários querem que a orientação do presidente da República, Armando Guebuza, ‘Decisão Tomada, Decisão Cumprida’ seja rigorosamente aplicada”.

Embora dizendo que o ambiente de negócios em Moçambique está a melhorar, Salimo Abdula afirmou que não consegue dizê-lo com grande convicção.

“O Banco Mundial afirma no seu ‘Doing Business 2007’ que o registo de uma empresa em Moçambique leva 133 dias. A Confederação fez um levantamento junto do Balcão Único e constatou que é possível registar uma empresa em 30 dias. Melhorámos. Mas melhorámos apenas parcialmente pois este registo diz apenas respeito às empresas comerciais e de serviços”, afirmou o presidente da CTA.

E salientou que nas actividades que envolvam estudos de impacto ambiental ou ainda pedidos de direitos e uso de aproveitamento de terras não há ainda melhorias na capacidade de resposta dos ministérios. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH