Remessas de emigrantes são maior fonte de divisas estrangeiras de Cabo Verde

23 July 2007

Nova Iorque, Estados Unidos da América, 23 Jul – As remessas dos emigrantes cabo-verdianos constituem a maior fonte de divisas estrangeiras do país, de acordo com um relatório da ONU divulgado sexta-feira em Nova Iorque.

O documento, distribuído pela Conferência da ONU para o Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD, na sigla em inglês), passa em revista as políticas internas e internacionais de promoção do conhecimento como indutor do desenvolvimento das capacidades produtivas nos países menos desenvolvidos (LDC, na sigla em inglês).

Um dos aspectos referidos no relatório destaca a importância das remessas dos emigrantes no desenvolvimento económico e os efeitos que a fuga de cérebros produz no crescimento dos LDC.

A saída para o exterior de quadros formados ou que terminam a formação fora do país de origem constitui um dos maiores constrangimentos de África, continente em que se situa a maior parte dos LDC.

Além de Cabo Verde, que em 2000 tinha 69 por cento dos seus 450 mil habitantes a trabalhar fora do arquipélago, mais dois países africanos de língua oficial portuguesa, Angola e Moçambique, são referenciados numa tabela que destaca a saída de quadros, em 2000, dos LDC com maior taxa de emigração.

O relatório estuda os motivos e os efeitos da fuga de cérebros dos LDC para os países que fazem parte da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), concluindo que em 2004 cerca de um milhão de quadros do sector terciário (serviços) deixaram os seus países de origem.

De entre as causas para este movimento migratório, o documento destaca a falta de oportunidades de emprego, os baixos salários e as dificuldades de progressão profissional, além da instabilidade social e política. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH