Atraso em projecto chinês em Angola coloca negócio milionário em risco

8 August 2007

Pequim, China, 08 Ago – A Hangxiao Steel Structure comunicou à Bolsa de Xangai que o projecto de 34,4 mil milhões de renminbi em Angola está atrasado e pode não passar da primeira fase, noticiou terça-feira a imprensa chinesa.

A primeira fase do projecto, a construção de 32 edifícios avaliados em 1,2 mil milhões de renminbi, está em andamento, mas não está ainda assegurada a segunda fase, disse a empresa à Bolsa de Xangai, através de um comunicado citado pelo jornal China Daily.

A companhia chinesa anunciou ainda o cancelamento de uma remessa prevista de trabalhadores para Angola, dizendo que é incerto que o projecto possa avançar conforme o planeamento original.

A Hangxiao, uma empresa de pequena dimensão, anunciou a 13 de Março um acordo equivalente a cerca de um décimo do Produto Interno Bruto de Angola com a China International Fund, de Hong Kong, que assinou um contrato com o governo angolano para a construção de diversas obras públicas no país africano.

Esta empreitada envolve 3,3 milhões de toneladas de aço enquanto, segundo especialistas do sector, a empresa chinesa produziu apenas 300 mil toneladas em 2006, com um volume de negócios de 1,5 mil milhões de renminbi.

Dias antes do anúncio do acordo, movimentações especulativas fizeram as acções subir 60 por cento, valorizando em seis dias consecutivos o máximo de 10 por cento permitido pela China numa sessão bolsista, com a Comissão Reguladora do Mercado de Valores a abrir de imediato um inquérito, que acusou vários responsáveis da empresa de uso de informação privilegiada no mercado financeiro.

Nos três últimos anos, a China concedeu a Angola empréstimos de 4,4 mil milhões de dólares, que permitiram a Luanda ignorar as condições de transparência e boa governação exigidas pelo Fundo Monetário Internacional para a atribuição de crédito ao país. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH