Ministro das Finanças de Portugal admite privatizar nova parcela da eléctrica portuguesa ainda em 2007

10 October 2007

Luxemburgo, 10 Out – O ministro das Finanças admitiu terça-feira, no Luxemburgo, acelerar a venda de parte da participação que o Estado ainda detém na EDP – Energias de Portugal, para cumprir o objectivo de angariar 950 milhões de euros com privatizações este ano.

Fernando Teixeira dos Santos, que falava à entrada de uma reunião dos ministros das Finanças da União Europeia (UE), a que preside, disse que a EDP está no programa de privatizações do Governo e que o cumprimento do objectivo orçamentado pode tornar necessário fazer uma operação até ao final do ano.

O semanário Expresso noticiou, na sua edição de 5 de Outubro, que as Finanças estão a preparar “a privatização de 4 por cento da EDP para o caso de Moçambique não pagar os 700 milhões de dólares que ainda faltam pela alteração da estrutura accionista da Hidroeléctrica de Cahora Bassa”.

“A receita não faz parte dos 950 milhões de euros que o Governo prevê encaixar este ano com privatizações, mas poderia ser suficiente para dispensar novas operações”, refere o jornal, acrescentando que, “neste momento, faltam ainda 605 milhões de euros que é um valor não muito distante da verba que pode chegar de Maputo a qualquer momento”.

No Luxemburgo, Teixeira dos Santos afirmou ainda que a possível privatização de uma nova tranche da EDP até ao final do ano é independente do pagamento da verba relativa a Cahora Bassa. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH