Sete acordos e uma parceria na área do etanol marcam visita do Presidente do Brasil a Angola

10 October 2007

Brasília, Brasil, 10 Out – Sete acordos entre os governos do Brasil e de Angola e uma parceria na área de biocombustíveis serão assinados durante a visita do que o Presidente Lula da Silva realiza a Luanda em meados deste mês.

Luciano Macieira, chefe do Departamento África II (DAF II) do Ministério dos Negócios Estrangeiros (Itamaraty), disse à agência noticiosa portuguesa Lusa que há mercado em Angola tanto para o petróleo como para os biocombustíveis e o governo deste país africano lusófono quer diversificar as suas fontes de energia.

O desenvolvimento do sector álcool-açucareiro tem interesse para os angolanos não só devido ao etanol, mas também pela possibilidade de aumentar a produção de açúcar.

No ano passado, por exemplo, Angola comprou do Brasil 94 milhões de dólares de açúcar, segundo artigo mais importante na lista de exportações brasileiras para o país, depois dos automóveis.

Macieira escusou-se a revelar os nomes das empresas envolvidas no negócio, limitando-se a informar que se trata de uma estatal angolana e uma privada brasileira.

A Petrobras, de acordo com o diplomata, estará representada na delegação empresarial que acompanhará o PR Lula da Silva com o objectivo de ampliar a sua actuação em Angola na área petrolífera.

Os sete acordos a serem assinados pelos governos de Luanda e Brasília durante esta segunda visita do Presidente Lula a Luanda, nos dias 18 e 19 próximos, referem-se às áreas de educação, prevenção e controlo da malária, formação profissional e formação científica, mecanismos de consultas políticas e cooperação diplomática.

Actualmente existem mais de 30 empresas brasileiras a operar em Angola, entre elas as gigantes Petrobras e Companhia Vale do Rio Doce, Odebrechet, Andrade Gutierrez e Furnas.

“Angola é o país da África onde há o maior número de empresas brasileiras”, assinalou Luciano Macieira, adiantando que os investimentos brasileiros naquele país ascendem a 400 milhões de dólares.

Nos últimos anos, o comércio entre Brasil e Angola tem crescido significativamente e, no ano passado, totalizou 1,297 mil milhões de dólares.

O Brasil compra basicamente do mercado angolano o petróleo bruto, com o qual o país africano garante as linhas de crédito do governo brasileiro que financiam produtos e serviços.

A última linha de crédito que venceria em 2008, no valor de 750 milhões de dólares (534 milhões de euros), já está praticamente esgotada e os angolanos já iniciaram as negociações para a renovar.

Cerca de 30 empresários deverão integrar a comitiva do Presidente brasileiro nesta deslocação ao continente africano, que incluirá também visitas ao Burkina Faso, República do Congo e África do Sul. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH