Angola: Bloco 17 vai manter produção de 500 mil barris por dia até 2010

6 November 2007

Luanda, Angola, 06 Nov – O campo Rosa, localizado nas águas profundas do “offshore” angolano, vai manter em 500 mil barris/dia a produção de petróleo do Bloco 17 até ao ano 2010, afirmou segunda-feira em Luanda o director de pesquisa e produção do grupo Total, Yves-Louis Darricarrère

De acordo com a agência noticiosa angolana Angop, o facto foi anunciado à imprensa por Darricarrère durante a inauguração daquele campo de produção petrolífera, que dispõe de reservas estimadas em 37 milhões de barris.

De acordo com Darricarrère, os campos Girassol e Jasmim do Bloco 17 têm produzido conjuntamente 250 mil barris de petróleo/dia e o Dália produz, por sua vez, 250 mil barris/dia desde Março deste ano (2007).

O Bloco 17, afirmou, não está limitado aos campos Girassol, Dália e Rosa, pois para os próximos anos estão previstos os projectos PazFlor e o quarto pólo de desenvolvimento designado por Clov.

Falando da integração da produção do campo Rosa no Girassol, disse ser uma prova da capacidade do grupo em gerir projectos complexos com sucesso, buscando soluções técnicas para proteger o ambiente e respeitar a segurança nas operações.

O Bloco 17, cuja produção começou em 2001, integra os campos Girassol, Dália, Rosa, Lírio, Tulipa, Orquídea, Cravo Camélia, Jasmim, Perpetua, Antúrio e Violeta.

A actual produção petrolífera de Angola é de 1,6 milhões de barris/dia, enquanto as reservas estão estimadas em 12,4 mil milhões de barris.

A zona marítima de Angola está dividida em 74 blocos de exploração petrolífero de águas rasas, profundas e ultra-profundas, mas apenas 30 estão adjudicados.

A produção petrolífera de Angola representa, de acordo com dados oficiais, 90 por cento das exportações do país, 50 por cento do Produto Interno Bruto (PIB) e 80 por cento da receita fiscal. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH