São Tomé e Príncipe: Acordo monetário com Europa ou África Ocidental obrigatório antes do comércio livre

14 December 2007

Lisboa, Portugal, 14 Dez – São Tomé e Príncipe precisa de um acordo monetário com a África Ocidental ou a Europa, que permita paridade entre a dobra e uma moeda forte, antes de aderir à Parceria Económica com União Europeia, afirmou quinta-feira em Lisboa o presidente são-tomense.

Em entrevista à agência noticiosa portuguesa Lusa, Fradique de Menezes afirmou que o acordo de paridade fixa que permita controlar a flutuação do preço das mercadorias é um de muitos “trabalhos de casa” que o país precisa de fazer antes de aderir aos Acordos de Parceria Económica (APE), que nas condições actuais seriam negativos para o arquipélago.

“Se estivermos ancorados ao euro e com uma paridade fixa e garantida durante algum tempo, isso já tranquiliza os negócios de qualquer operador. Através de Portugal, através de outro parceiro qualquer, temos de encontrar esta ancoragem e aí o mercado será abastecido e haverá trocas comerciais mais seguras”, afirmou Fradique, que admitiu manter contactos com o governo português para negociar esta questão com a União Europeia.

Além da questão monetária, afirmou, há outros trabalhos de casa que o arquipélago tem de fazer antes de poder entrar num APE com a União Europeia, o que significaria a abertura do mercado europeu às suas exportações e, a longo prazo, também que as portas são-tomenses sejam franqueadas à Europa.

Entre estes está a revitalização da produção agrícola – nomeadamente do cacau, banana, mandioca, batata-doce, “produtos que garantem uma parte da alimentação são-tomense” – que permitam criar um sector primário exportador, mas está também a diversificação da economia, que está a deparar com dificuldades.

“Estamos a tentar diversificar os recursos para o turismo”, para o que São Tomé conta “com a entrada forte do grupo (português) Pestana”, que tem previstos vários projectos no arquipélago, envolvendo um investimento de perto de 200 milhões de euros.

Finalmente, afirmou, São Tomé e Príncipe vai ter de rever a legislação – nomeadamente comercial e laboral – para que possa dinamizar a economia e atrair investimento estrangeiro.

O presidente são-tomense considerou igualmente prioritária a resolução dos problemas de transportes no arquipélago, nomeadamente os poucos voos regulares para a Europa e a subida do custo dos fretes, esperando resultados rápidos do novo governo.

São Tomé e Príncipe esteve representado na II Cimeira Europa/África, que decorreu no último fim-de-semana, em Lisboa, por Fradique de Menezes e pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Ovídio Pequeno. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH