Moçambique: Empresa de transportes necessita de 150 novos autocarros

5 February 2008

Maputo, Moçambique, 05 Fev – A empresa estatal Transportes Públicos de Maputo (TPM) necessita de 100 a 150 novos autocarros para garantir uma cobertura da capital e da cidade vizinha da Matola, afirmou segunda-feira em Maputo o porta-voz da empresa.

Mas a realidade, acentuou Boaventura Lipangue, é que a empresa apenas dispõe de 40 autocarros em funcionamento em qualquer dia da semana pois, embora existam 93 autocarros, a maior parte está parada por avarias ou por falta de peças sobressalentes.

“Se a TPM tivesse mais autocarros isso ajudaria as pessoas que actualmente vem-se obrigadas a despender uma parte substancial dos seus rendimentos no pagamento da tarifa dos mini-autocarros privados conhecidos por ‘chapas'”, disse o porta-voz.

A partir de hoje, a tarifa dos “chapa” aumenta de 5 para 7,5 meticais (31 cêntimos do dólar) e de 7,5 para 10 meticais nas distâncias mais longas.

As tarifas da TPM são mais baixas, 5 e 10 meticais para as distancias mais curtas e mais longas, respectivamente, mas sao os “chapa” que garantem carreiras regulares de transportes públicos na capital e arredores.

Em declaraçoes à agência noticiosa moçambicana AIM, Lipangue disse que um estudo realizado pela empresa conclui da necessidade de 100 a 150 novos autocarros para garantir as carreiras existentes.

“Tudo agora depende do governo”, acentuou Boaventura Lipangue.

A TPM costumava apresentar prejuizos elevados pois, de uma receita diária de 160 mil meticais, 90 por cento era despendida em combustível, deixando uma margem reduzida para salários, manutenção, lubrificantes e peças sobressalentes.

A situação da empresa começou a melhorar com a introdução, em 2007, de autocarros movidos a gás natural, a abertura de novas carreiras e uma gestão melhorada. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH