Moçambique: Oleduto Matola-África do Sul já tem um estudo de impacto ambiental positivo

28 February 2008

Maputo, Moçambique, 28 Fev – A construção do oleoduto ligando o porto de Maputo e a África do Sul deverá começar em Junho uma vez que o estudo de impacto ambiental não encontrou qualquer impedimento, afirmou um consultor da Impacto, a empresa moçambicana que realizou o estudo.

Em declarações à agência noticiosa moçambicana AIM, José Jerónimo disse que o estudo nao identificou qualquer impacto bio-físico ou sócio-económico suficientemente sério para forçar o cancelamento do projecto.

Este projecto, com um custo estimado em 537 milhões de dólares, envolve a construçao de um oleduto que transportará combustíveis refinados do terminal petrolífero da Matola para a cidade de kendal, na África do Sul.

O oleduto transportará cerca de 5 milhões de metros cúbicos de combustível líquido por ano, aumentando substancialmente as exportações de Moçambique para a África do Sul e reduzindo o número de camiões cisterna nas estradas.

Percorrerá 64 quilómetros desde Matola até à fronteira e, a partir daí, 384 quilómetros até Kendal, através de Nelspruit, cidade onde serão construídos tanques de armazenamento.

Este estudo de impacto ambiental é o primeiro de dois a serem feitos em Moçambique, incidindo o segundo sobre as obras a serem efectuadas no terminal petrolífero da Matola, de um total de cinco, com os restantes três a incidirem sobre a operação na África do Sul.

Este oleduto será gerido pela empresa sul-africana Petroline Holdings tendo, devido aos diferentes regulamentos em termos ambientais, sido criadas duas empresas – Petroline RSA na África do Sul e Petroline em Moçambique – que garantirão o respeito pelo estatuído na lei. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH