Angola admite “novas medidas” para aumentar preço do petróleo

4 February 2009

Luanda, Angola, 4 Fev – O ministro dos Petróleos angolano e presidente em exercício da OPEP, Botelho Vasconcelos, admitiu terça-feira, em Luanda, que a organização poderá tomar “novas medidas” se os actuais cortes na produção não resultarem na subida do preço do barril.

Em declarações à agência noticiosa portuguesa Lusa, o ministro disse que se o preço não subir quando se atingir o limite estabelecido para os actuais cortes, 4,2 milhões de barris/dia, “haverá nova reflexão e, em função da análise feita, tomar-se-ão outras medidas”.

Botelho Vasconcelos estimou que “a tendência (nos preços) seja diferente” no início do segundo trimestre de 2009 porque “os cortes de 4,2 milhões de barris/dia tiveram início em Janeiro” e esse valor “ainda não foi atingido”.

“A organização tem feito o acompanhamento da evolução dos preços. Passou o primeiro mês, está a decorrer o segundo e creio que os sinais positivos, que possam permitir algum conforto, poderão começar a aparecer no segundo trimestre”, notou.

Referindo-se especificamente a Angola, Botelho Vasconcelos afirmou que o preço do barril de petróleo nos 75 dólares “já era muito bom”, sublinhando que o preço actual, cerca de 40 dólares, “não permite levar a cabo os investimentos e os projectos, bem como manter todos os programas de aumentar as capacidades de reservas”.

Angola, que preside à OPEP desde 01 de Janeiro e por um ano, produz uma média de 1,9 milhões de barris/dia e cortou a sua produção em cerca de 250 mil barris.

Os cortes e os preços baixos do petróleo são a principal razão pela qual o Banco Mundial, no seu relatório de Janeiro sobre a economia angolana, estimou 2009 como um ano “muito difícil” e apontou como cenário provável a contracção da economia. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH