Moçambique: Mota Engil quer “reforçar actividade” no país

9 February 2009

Maputo, Moçambique, 9 Fev – A construtora Mota Engil quer “reforçar a sua actividade” em Moçambique, alargando a intervenção a “todas as áreas de negócio e sectores de actividade” em que o grupo opera em Portugal e noutros mercados, afirmou em Maputo o presidente executivo do grupo.

O objectivo, que marca também “um novo ciclo” na vida do grupo, foi enunciado por Jorge Coelho, que adiantou ainda ter sido adjudicada à empresa as obras de recuperação de um troço de 50 quilómetros de uma estrada em Massinga (sul), uma empreitada financiada por uma linha de crédito criada pelo Estado português.

Um dos projectos em que, disse Jorge Coelho, a Mota Engil gostaria de “partilhar a solução de construção” é o da ponte entre Maputo e Catembe, na margem sul da cidade (actualmente a travessia é feita exclusivamente em batelões).

No final da deslocação a Maputo, Jorge Coelho assegurou que a ponte sobre o rio Zambeze (centro), que a empresa está a construir em consórcio com a construtora portuguesa Soares da Costa, ficará pronta “no dia 31 de Maio”, apesar dos revezes que a empreitada sofreu, nomeadamente as cheias de 2007 e 2008 naquela região.

A ponte, que terá 2,5 quilómetros de comprimento e 16 metros de largura, ligando o norte ao sul de Moçambique (entre Caia, na província de Sofala, e Chimuara, Zambézia), é uma das obras mais emblemáticas em curso no país.

O actual projecto, orçado em 80 milhões de euros, retoma estudos feitos nos anos anteriores à independência, em 1975, por Edgar Cardoso, conhecido engenheiro de pontes português.

Em Moçambique, Jorge Coelho anunciou ainda a criação no grupo Mota Engil de mais uma área de negócio, a mineração, afirmando que Moçambique e o Maláui são países em que a empresa aposta nesta área. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH