Moçambique: Australiana Riversdale continua empenhada no carvão de Moatize

11 February 2009

Maputo, Moçambique, 11 Fev – A empresa mineira australiana Riversdale prossegue activamente com os planos de extrair e exportar carvão da província moçambicana de Tete, afirmou o administrador financeiro Steve Thomas numa conferência realizada na Cidade do Cabo, África do Sul.

Citado na revista Mining Weekly, Thomas disse que, em produção plena, a empresa estará a exportar anualmente 6 milhões de toneladas de carvão de coque e 2 milhões de toneladas de carvão térmico pelo porto da Beira, o que deverá acontecer na segunda metade de 2010.

O problema com quantidades tão grandes é o seu transporte uma vez que a linha de caminho-de-ferro do Sena, que foi totalmente destruída durante a guerra civil, terá uma capacidade de apenas dois milhões de toneladas por ano quando reabrir ao tráfego este ano.

Steve Thomas revelou que a empresa está a ponderar a utilização de barcaças para transportar o carvão pelo rio Zambeze e adiantou que, se o processo se revelar viável, tal permitirá o transporte de grandes quantidades de carvão até ao porto da Beira

A Riversdale não é a única empresa a investir nos depósitos de carvão de Tete.

O gigante mineiro brasileiro Vale dispõe de uma concessão próxima da da Riversdale e pretende igualmente exportar grandes quantidades de carvão e a Central African Mining and Exploration Company (CAMEC) que tem um projecto mais modesto, pretendendo exportar inicialmente 1,5 milhões de toneladas por ano podendo, no entanto, vir a aumentar essas quantidades para 15 a 20 milhões de toneladas por ano.

O geólogo Allan Saad, consultor do CAMEC, afirmou na mesma conferência que o grupo irá de início transportar o carvão por camião até à Beira estando a estudar a viabilidade de construir uma linha de caminho-de-ferro com 450 quilómetros. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH