Moçambique: Governo prepara política de bio-combustíveis com base na jatropha, coco e cana-de-açucar

6 March 2009

Maputo, Moçambique, 06 Mar – O Ministro da Energia de Moçambique, Salvador Namburete anunciou em Maputo que vai ser presente ao Conselho de Ministros um documento que define as principais linhas de orientação sobre o desenvolvimento do sector de bio-combustíveis em Moçambique.

O documento aborda as potencialidades de Moçambique em matéria de bio-combustíveis, procurando, deste modo, reduzir os riscos de conflitos com outras áreas de desenvolvimento agrícola, como a produção de alimentos.

O Governo pretende lançar um programa sólido de produção e uso de bio-combustíveis em Moçambique, com destaque para a preparação da legislação direccionada à introdução gradual da mistura da gasolina com o etanol e o diesel com o biodisel.

O estudo de base recomenda a cana-de-açúcar para a produção do etanol e jatropha e o coco para a produção do biodisel como as principais culturas
destinadas à produção de bio-combustíveis.

O Ministro da Energia, Salvador Namburete que falava durante a conferência internacional subordinada ao tema: “Desenvolvimento Energético em África: A opção dos Bio-combustíveis” revelou que Moçambique identificou sete milhões de hectares a serem usados para os vários projectos de uso e aproveitamento de terra, incluindo os bio-combustíveis.

O principal objectivo do encontro é a troca de experiências relativamente a assuntos relacionados com a indústria de bio-combustíveis, para além de analisar o impacto destes combustíveis nas economias de escala.

Em 2007 o governo moçambicano aprovou um projecto de 510 milhões de dólares da britânica Central African Mining and Exploration Company (CAMEC) para produzir etanol, a partir da cana-de-açucar na província de Gaza. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH