Moçambique: FMI prevê crescimento de 4,3 por cento em 2009, dos melhores desempenhos em África

14 May 2009

Maputo, Moçambique, 14 Mai – Moçambique deverá ter um crescimento económico de 4,3 por cento este ano, um dos melhores desempenhos do continente africano, afirmou quarta-feira em Maputo o chefe de uma missão do Fundo Monetário Internacional a Moçambique.

A avaliação do FMI, disse Robert Sharer, foi feita no contexto da crise internacional, que está a afectar Moçambique, como por exemplo na maior empresa do país, Mozal, que produz alumínio, cujos preços baixaram 60 por cento.

Ainda assim, acrescentou, a diminuição do crescimento económico será menor do que em outros países, já que “em Moçambique o impacto da crise não se fará sentir” como noutros países de África.

A missão do FMI esteve em Moçambique de 28 de Abril até quarta-feira e destinou-se a fazer consultas no âmbito da avaliação do apoio às políticas do país, PSI, (Policy Support Instrument, na sigla inglesa).

Tecendo grandes elogios ao desempenho económico de Moçambique e às políticas do Governo neste sector, Robert Sharer alertou para o declínio das exportações devido ao “acentuado decréscimo dos preços das matérias-primas e à menor procura externa” e para a quebra do investimento directo estrangeiro.

Para este ano, tendo em conta o Orçamento aprovado pela Assembleia da República, o FMI estima que a receita “venha a decair em 1,3 por cento do PIB (Produto Interno Bruto)”.

Robert Sharer instou ainda o governo a “melhorar o ambiente de negócios”, até em pequenas questões como a burocracia, aproveitando os investimentos de nacionais, mas disse também que Moçambique tem seguido as políticas certas e que em termos de estabilidade macroeconómica está nos primeiros lugares de África.

Em toda a África subsaariana o FMI estima um crescimento de dois por cento para este ano, contra os cinco por cento do ano passado, esperando-se uma recuperação gradual a partir do próximo ano. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH