Macau: Banco da China apoia construção de plataforma económica e comercial com países de língua portuguesa

18 May 2009

Macau, China, 18 Mai – O Banco da China está a acentuar a vantagem de Macau como plataforma chinesa para os países de língua oficial portuguesa, através de acordos com bancos em países como Angola ou Moçambique, afirma o Fórum Macau.

“À medida que se desenvolve ainda mais a cooperação económica e comercial entre a China e os países de língua portuguesa, o Banco da China traduz de forma positiva o papel de vantagem de Macau como plataforma de cooperação económica e comercial” entre os dois blocos, afirma o Fórum para a Cooperação Económica entre a China e os Países de Língua Portuguesa em documento divulgado este mês.

O trabalho do banco, adianta, tem passado por “reforçar cada vez mais os contactos de cooperação com os países de língua portuguesa, dando o seu melhor contributo para a consolidação e a promoção das relações económicas e comerciais entre a China e os países de língua portuguesa”.

Criada há 58 anos, a sucursal de Macau do Banco da China é o banco da presidência da Associação de Bancos de Macau e é também responsável pela emissão de patacas e pelo cofre do tesouro público governamental.

Com uma posição de liderança no mercado, é também o banco de compensação de renminbi e dos títulos emitidos em dólares de Hong Kong, entre outras valências.

De acordo com o documento “As Relações de Cooperação entre o Banco da China e os Bancos dos Países de Língua Portuguesa”, um primeiro passo para a associação aos bancos dos países lusófonos foi dado em Setembro de 2006, através da assinatura de um acordo com o Banco de Fomento de Angola (BFA) para oferecer serviços de transferência de fundo aos nacionais da China residindo em Angola e às empresas de capital chinês naquele país.

“O BFA, utilizando as redes globais do Banco da China e, em especial, as suas numerosas agências no interior da China, faz as transferências de fundos dos seus clientes para a China e outros países. Graças aos esforços realizados pelas duas partes, as actuais operações de negócios têm-se desenvolvido da melhor forma”, refere o documento do Fórum Macau.

Já em Março deste ano, o banco assinou uma Carta de Intenções de Cooperação, acto testemunhado pelas autoridades da China e de Moçambique, para os Serviços de Remessa do Fundo, respectivamente, com o Millennium BIM, do grupo português Millennium Bcp, e o Moza Banco, de Stanley Ho e Ferro Ribeiro.

O acordo foi celebrado no âmbito da visita do vice-ministro do Comércio da China, Jiang Zhengwei, àquele país africano, acompanhado por uma delegação empresarial de Macau, organizada pelo Gabinete de Apoio ao Secretariado Permanente do Fórum.

“O Banco da China tornou-se assim um parceiro de desenvolvimento na cooperação financeira com os congéneres moçambicanos, visando apoiar o desenvolvimento económico e comercial entre a China e Moçambique, e demais Países de Língua Portuguesa”, afirma o Fórum.

“Macau tem sempre mantido relações estreitas com os países de língua portuguesa. Nos últimos anos, o Governo de Macau tem desenvolvido todos os esforços para que Macau possa ser a plataforma entre a China e estes, e por sua vez, a sucursal do Banco da China em Macau, tem desempenhado um papel positivo nas actividades de concretização desta plataforma”, adianta.

O Banco da China está a preparar também o início da sua actividade no Brasil, que deverá concretizar-se até Julho, segundo disse este mês à macauhub o presidente do Banco da China no Brasil, Zhang Jianhua.

Numa fase inicial, a actuação no Brasil, hoje um dos maiores parceiros internacionais da China, será vocacionada para o segmento empresarial e comércio, mas está também a ser estudada a entrada no retalho, a longo prazo, através de bancos brasileiros.

A pensar na comunidade chinesa residente no Brasil, o Banco da China pretende implantar serviços de transferência de dinheiro entre os dois países.

A agência do banco na avenida Paulista, no centro financeiro de São Paulo, fornecerá fundamentalmente linhas de crédito para empresas interessadas no comércio bilateral.

Macau acolheu em Abril a conferência dos Governadores dos bancos centrais dos países de língua oficial portuguesa, com objectivo de trabalhar para a criação de uma “plataforma de cooperação financeira e de promoção do desenvolvimento económico e comercial” e também na cooperação e assistência técnica Autoridade Monetária de Macau a países como Moçambique e São Tomé e Príncipe. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH