Cabo Verde: Banco central revê em baixa taxa de crescimento, mas mais optimista que FMI

21 May 2009

Praia, Cabo Verde, 21 Mai – O Banco de Cabo Verde (BCV) reviu quarta-feira em baixa a taxa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) cabo-verdiano em 2009, que deverá oscilar entre 4,7 e 5,7 por cento.

De acordo com o governador do BCV, Carlos Burgo, que apresentou quarta-feira o Relatório de Política Monetária da economia do país referente aos últimos seis meses, a projecção inicial apontava para valores entre 5,5 e 6 por cento, razão pela qual, considerou, “não se espera uma queda significativa”.

Os valores da nova projecção, acrescentou, são “mais optimistas” do que os definidos pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) que, em Abril último, projectou uma subida de “apenas” 3,5 por cento na taxa de crescimento.

Admitindo que a crise económica internacional está a afectar já a economia do arquipélago, Carlos Burgo defendeu, porém, que há razões para um “optimismo moderado”, uma vez que o abrandamento das remessas dos imigrantes nos dois primeiros meses do ano registou uma subida “importante” em Março.

No entanto, o Investimento Directo Estrangeiro (IDE), referiu, diminuiu “significativamente” no primeiro trimestre deste ano, chegando a 63 por cento se se comparar com período idêntico do ano transacto.

Segundo Carlos Burgo, nos últimos seis meses registou-se igualmente um aumento do défice na Balança de Serviços (10 por cento), o “ligeiro” crescimento das importações (2,5 por cento) e um decréscimo “acentuado” nas exportações (25 por cento).

Em relação ao défice público, tendo em conta os pressupostos assumidos no orçamento de Estado para este ano, o BCV estima que deverá rondar 7 por cento do PIB no final do ano. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH