Reclusos em Moçambique vão produzir bens alimentares

11 June 2009

Maputo, Moçambique, 11 Jun – Os reclusos em Moçambique vão iniciar a produção de bens alimentares visando melhorar a sua dieta alimentar e a colocação dos excedentes no mercado, disse à macauhub em Maputo a ministra moçambicana da Justiça, Maria Benvinda Levi.

“Vamos iniciar a produção de arroz em 80 hectares em Mabalane (província de Gaza) e de batata-reno em Tinonganine (província de Maputo)”, disse a ministra, para acrescentar que a produção em grande escala de milho vai ter início na província de Manica e nos distritos da Angónia e Sanga, na província centro-nordeste de Tete.

A área inicial prevista para a produção de milho é de 100 hectares enquanto que a de trigo é de 30 hectares e será no distrito de Sussundenga, província central de Manica.

Na província da Zambézia, prevê-se uma área de 100 hectares para a produção de milho e outros 100 hectares de ananazeiros, havendo ainda lugar à produção de amendoim na província de Nampula.

O director dos serviços prisionais, João Zandamela, disse à macauhub que com este programa pretende-se acabar com a ociosidade dos reclusos, com as cadeias moçambicanas a albergarem cerca de 15 mil pessoas, entre moçambicanos, zimbabweanos, brasileiros e de outras nacionalidades.

Zandamela disse haver ainda planos para plantar até 2011 cerca de 105 mil mudas de caju, projecto que conta com o apoio do Instituto Nacional do Caju (Inacju), instituição tutelada pelo Ministério da Agricultura, e que deverá proporcionar um rendimento de 4 milhões de dólares com a venda da castanha de caju. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH