Governo de Moçambique vai privatizar parcialmente operadora mCel

12 June 2009

Maputo, Moçambique, 12 Jun – O governo de Moçambique vai privatizar parcialmente a empresa estatal de telefonia móvel Moçambique Celular (mCel), afirmou quinta-feira em Maputo o ministro dos Transportes e Comunicações, Paulo Zucula, ao jornal O País.

Numa fase inicial, prosseguiu o ministro, o governo pretende vender pelo menos 5 por cento das acções da mCel, a maior das duas empresas de telefonia móvel do país, que apenas poderão ser adquiridas por moçambicanos.

“As vendas subsequentes poderão ser abertas a investidores internacionais”, disse Zucula.

O ministro adiantou ao jornal que a empresa está a elaborar uma proposta, a ser posteriormente apresentada ao governo para aprovação, indicando a quantidade de acções a vender, o preço de cada acção e todos os outros pormenores relativos à operação pública de venda.

A mCel foi a primeira empresa a oferecer serviços de telefonia móvel em Moçambique em 1997 e o seu Relatório e Contas relativo a 2007 indica que a empresa tem 2,3 milhões de clientes ou uma quota de mercado de 66 por cento.

Paulo Zucula disse ainda ao O País que a privatização parcial da mCel devia ter-se iniciado em 2008 mas mencionou problemas de carácter organizativo para justificar o adiamento.

Em 2003, o governo vendeu uma segunda licença de telefonia móvel à sul-africana Vodacom por 15 milhões de dólares e o ministro informou ainda que o terceiro operador celular, cujo concurso já foi anunciado mas posteriormente adiado, ainda está a ser analisado. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH