Brasileira Odebrecht e angolana Sonangol iniciam investimento na produção de açúcar e energia em Angola

27 August 2009

Luanda, Angola, 27 Ago – O grupo brasileiro Odebrecht anunciou quarta-feira em Luanda o arranque oficial do investimento de 220 milhões de dólares, através do consórcio Biocom que integra a Sonangol, na produção de açúcar e energia em Malange, Angola.

O contrato para a produção de açúcar e energia eléctrica em Malange foi assinado no início da semana pelo presidente da Agência Nacional de Investimentos Privados (ANIP), Aguinaldo Jaime, e por Rui Gourgel, da Companhia de Bioenergia de Angola (Biocom).

Gourgel, presidente da Biocom, afirmou que o investimento está avaliado em 220 milhões de dólares e prevê, numa primeira fase, a produção anual de 268 mil toneladas de açúcar e 45 megawatts de energia eléctrica, permitindo a extracção de etanol.

Nos próximos anos, a quantidade de açúcar produzido deverá duplicar, permitindo aliviar as necessidades de consumo no país, que importa anualmente cerca de 400 toneladas.

A Biocom é um consórcio entre a Odebrecht (40 por cento do capital), a petrolífera angolana Sonangol e a Damer, um grupo privado angolano.

O consórcio apontou inicialmente 2012 como prazo para entrada do projecto em “velocidade de cruzeiro” e em Janeiro anunciou que iria acelerar os trabalhos.

A Biocom é o primeiro investimento directo do grupo brasileiro em Angola na produção agrícola e geração de energia.

A Odebrecht está também envolvida na exploração petrolífera em Angola, através da sua divisão de petróleo e gás, que recentemente anunciou uma descoberta na costa angolana, numa prospecção operada pela pela Maersk Oil (com 50 por cento). (macauhub)

MACAUHUB FRENCH