Brasil disposto a incentivar produção de biocombustiveis na África Ocidental nomeadamente na Guiné-Bissau

15 March 2010

Bissau, Guiné-Bissau, 15 Mar – O Brasil quer incentivar a produção de biocombustíveis nos países da África Ocidental através de estudos e angariação de financiamentos de produção, afirmou sexta-feira em Bissau o embaixador Jorge Geraldo Kadri.

O embaixador do Brasil na Guiné-Bissau falava à margem de um seminário sobre as políticas públicas do Brasil sobre biocombustiveis, que teve lugar em Bissau depois de iniciativas semelhantes em quatro países da África Ocidental (Senegal, Benim, Mali e Burkina Faso).

Naqueles países, técnicos de diferentes departamentos ministeriais do Brasil apresentaram as estratégias brasileiras no domínio de biocombustíveis e demonstraram as vantagens comparativas que a produção daquela energia poderá trazer.

Para melhor ajudar, o Brasil vai enviar à Guiné-Bissau “antes do final do ano” especialistas com a missão de fazer um levantamento exaustivo sobre as potencialidades do país no domínio da produção de biocombustiveis.

A missão terá como finalidade proceder ao levantamento das zonas para melhor cultivo de plantas que possam gerar biocombustíveis e quais as plantas que melhor se adaptam ao solo guineense.

O embaixador do Brasil destacou que a seguir a esse trabalho o seu governo avançará para a procura de financiamentos para os empresários que queiram investir na produção de biocombustiveis.

Geraldo Kadri anunciou que o Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) e o Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDS) do Brasil já se mostraram disponíveis para apoiar a ideia.

O diplomata brasileiro é da opinião que a Guiné-Bissau tem potencialidades enormes para a produção de biocombustiveis, a partir da terra hoje não aproveitada para o cultivo de alimentos e também a partir da polpa do caju, cuja castanha é o principal produto de exportação da Guiné-Bissau. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH