Abastecimento de energia eléctrica da capital da Guiné-Bissau resolvido dentro de três anos

18 March 2010

Lisboa, Portugal, 18 Mar – A ministra da Economia da Guiné-Bissau, Helena Embalo, disse quarta-feira em Lisboa que o problema do abastecimento de energia eléctrica de Bissau deverá ficar resolvido dentro de três anos.

Segundo a ministra guineense, com o apoio do Banco Mundial, parceiro de desenvolvimento que mais apoia o sector da energia, prevê-se aumentar a capacidade de fornecimento eléctrico de 10 para 30 megawatts.

A nível nacional, a ministra mencionou a existência de um projecto que prevê o aproveitamento de bacias hidrográficas situadas na Guiné-Conakry.

“É no aproveitamento desses recursos que vai ser possível fornecer a energia em quantidade suficiente, não só à Guiné-Bissau, mas também à Guiné-Conakry, Senegal e Gâmbia e a um preço acessível”, afirmou.

Helena Embalo falou à agência noticiosa portuguesa Lusa no final de um seminário empresarial organizado pela instituto de promoção das exportações portuguesas (AICEP) no âmbito de uma visita oficial a Lisboa do primeiro ministro guineense, Carlos Gomes Júnior.

Entretanto, uma missão da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP) desloca-se em Maio à Guiné-Bissau para concretizar investimentos nesse país africano de língua oficial portuguesa.

“Vamos organizar uma missão e vamos prepará-la com dossiers concretos para que quando chegarmos à Guiné-Bissau possamos sentar-nos à mesa com os empresários guineenses e com o governo da Guiné para concretizar operações”, afirmou o presidente do AICEP, Basílio Horta.

Segundo o antigo ministro português, pode haver concretizações em domínios como a energia, agricultura, banca, serviços.

A missão do AICEP deverá integrar a comitiva da visita oficial que o ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal, Luís Amado, prevê realizar à Guiné-Bissau e que terá uma forte componente empresarial. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH