Venda de 25,1% do Moza Banco ao BES aguarda parecer dos bancos centrais de Moçambique e de Portugal

14 September 2010

Maputo, Moçambique, 14 Set – A venda de uma participação de 25,1 por cento do Moza Banco ao Banco Espírito Santo (BES) aguarda apenas o parecer dos bancos centrais de Portugal e de Moçambique, disse segunda-feira em Maputo o presidente executivo da instituição financeira portuguesa.

Com o fecho do negócio da entrada do BES – segundo maior banco privado português – na estrutura accionista do Moza Banco, o que deverá ocorrer entre o final deste ano e o princípio do próximo, o capital social da instituição financeira moçambicana deverá ser duplicado para 30 milhões de dólares.

Ricardo Salgado, que se deslocou a Maputo para analisar as contas do recém-criado Moza Banco, disse que o aumento do capital social da instituição será feito em várias fases, como forma de viabilizar o projecto de instalação de mais balcões pelo país, sobretudo nas cidades de Maputo e Matola.

Com a entrada do BES na estrutura accionista, o Moza Banco espera dar continuidade ao programa de expansão no país, estando já prevista a abertura de mais 15 balcões em Maputo e outros no Xai-Xai, na província de Gaza, bem como no Chimoio, província de Manica, e Lichinga, na província do Niassa.

Quando o negócio for aprovado, o Moza Banco será detido ainda, maioritariamente, pela Moçambique Capitais – 50,4 por cento – ficando o Banco Espírito Santo com 25,1 por cento e os restantes 24,5 por cento pertencerão à Geocapital do magnata dos casinos de Macau, Stanley Ho, que detém, neste momento, 49 por cento da instituição financeira moçambicana. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH