Brasil aguarda que China autorize fabricação do jacto Embraer E-190 na fábrica de Harbin

1 November 2010

Pequim, China, 1 Nov – O embaixador do Brasil em Pequim, Clodoaldo Hugueney, disse em Pequim que o governo brasileiro espera “há algum tempo” uma decisão da China sobre o pedido da Embraer para produzir na China o avião E-190, de 120 lugares.

“É importante que possamos encontrar uma solução comum para isso, porque esse é um produto muito significativo na nossa relação económico-comercial. Aviões são o único produto de alta tecnologia nas nossas exportações para a China” disse o diplomata.

A China está actualmente a desenvolver aviões próprios com as mesmas características e número de passageiros.

Em São Paulo o vice-presidente financeiro e de relações com investidores da Embraer, Luiz Carlos Aguiar anunciou, entretanto, que a Embraer decidirá até Dezembro o futuro da sua fábrica na China.

Caso a China não concorde com a fabricação na fábrica de Harbin de aviões Embraer E-190 a fábrica da Embraer em associação com a chinesa AVIC deverá encerrar no próximo ano, depois das entregas das últimas encomendas do ERJ-145, com capacidade para 50 passageiros.

As exportações de aviões do Brasil para a China representaram US$ 241,6 milhões nos primeiros nove meses de 2010, o que representou pouco mais de um por cento dos embarques totais de US$ 23,19 mil milhões para a China no mesmo período.

Essas vendas envolvem jactos E-190 fabricados pela Embraer no Brasil e exportados para clientes na China.

A companhia brasileira pretende produzir os Embraer E-190 na fábrica que possui na cidade de Harbin, na China, próxima da fronteira com a Rússia.

Recentemente, a companhia brasileira criou uma empresa para prestar assistência aos seus clientes, um investimento de 18 milhões de dólares (12,9 milhões de euros), com sede em Pequim.(macauhub)

MACAUHUB FRENCH