Grupo chinês vai pagar formação de estudantes de Moçambique na China

9 November 2010

Maputo, Moçambique, 9 Nov – Um fundo educativo no valor de 1 milhão de dólares foi segunda-feira constituído em Maputo nos termos de um acordo assinado entre o Ministério da Educação de Moçambique e o grupo chinês China Kingho Group.

O fundo destina-se a financiar anualmente 100 bolsas de estudo para cursos de licenciatura e pós-graduação na área de Ciências, concretamente em engenharia de minas, em universidades chinesas estabelecendo o acordo as condições de candidatura às bolsas e a criação de uma comissão de gestão das bolsas entre as autoridades chinesas e moçambicanas.

O diário estatal Notícias afirmou que este acordo resulta da recente visita à China do primeiro-ministro de Moçambique, Aires Ali, no decurso da qual foi acordado um investimento a ser realizado em Moçambique através do China Kingho Group.

O grupo chinês tem interesse em investir na área mineira em Moçambique, só que não existem no país técnicos formados na área, sobretudo a nível local.

Para colmatar esse défice de recursos humanos, os chineses pretendem formar por si o seu pessoal, cujo primeiro passo foi a assinatura do acordo para a criação de um fundo educativo.

O ministro moçambicano da Educação, Zeferino Martins, que assinou o acordo com o director do grupo chinês, Zong Yuan Wo, disse tratar-se duma iniciativa louvável em que um investidor, antes de começar a operar no país, privilegia a formação dos recursos humanos locais. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH