Banco BIC Angola desistiu da reprivatização do banco português BPN

3 December 2010

Luanda, Angola, 3 Dez – O Banco BIC Angola desistiu de entregar qualquer proposta no âmbito do processo de reprivatização do Banco Português de Negócios (BPN), garantiu Fernando Teles, presidente da instituição, em declarações ao jornal O País.

A hipótese de o Banco BIC Angola e do português Montepio Geral poderem vir a repartir os activos do BPN em função do interesse estratégico de cada uma das instituições bancárias, caso as autoridades portuguesas alterassem as condições de reprivatização, acabou por se gorar, tendo o Montepio anunciado já a sua desistência.

Trata-se da segunda vez que ninguém concorre à reprivatização do BPN, o que deixou o governo português numa situação complicada, uma vez que desde a privatização, na sequência de fraudes, o grupo financeiro estatal Caixa Geral de Depósitos já injectou no BPN mais de 3 mil milhões de euros.

Em declarações efectuadas anteriormente ao jornal, Fernando Teles já havia afirmado que a estrutura de passivos e activos do BPN não justificava os 180 milhões de euros pretendidos pelo governo português.

O Banco BIC Angola e o Montepio Geral português foram as duas primeiras instituições a levantar o caderno de encargos da reprivatização do BPN, desembolsando os 100 mil euros requeridos para ter acesso ao documento. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH