Exploração petrolífera do pré-sal é um marco em Angola

25 January 2011

Luanda, Angola, 26 Jan – O director de negociações da Sonangol, Carlos Saturnino, afirmou segunda-feira, em Luanda, que o anúncio do início das explorações nos poços do pré-sal é um marco na história da indústria petrolífera angolana.

De acordo com Carlos Saturnino, para a pesquisa e exploração dos 13 blocos vão estar envolvidos recursos, quer financeiros, quer capital humano e tecnológico, de uma dimensão nunca vista em Angola, podendo o termo de comparação ser o pré-sal no Brasil, que são campos petrolíferos de grande dimensão na bacia de Santos.

Para a escolha das empresas concorrentes, a Sonangol abriu um concurso público limitado, tendo sido escolhidos como operadores do bloco 19 a British Petroleum Angola (BP), com uma participação de 50 por cento, do 20 a Cobalt Internacional Energy (40 por cento), do 22 a Repsol (30 por cento), do 24 a BP (50 por cento) e do 25 a Total Angola (35 por cento).

Para operar o bloco 35 foi escolhida a ENI Angola (30 por cento), para o 36 e 37 a ConocoPhilips (30 por cento), para o 38 e 39 a Statoil ASA (40 por cento) e para o 40 a Total Angola (35 por cento).

O júri do concurso seleccionou como integrantes dos grupos empreiteiros a Sonangol Pesquisa e Produção em todos os blocos e a China Sonangol nos blocos 19, 20, 36 e 38, entre outras empresas.

O pré-sal é conjunto de rochas sedimentares, que corre sob a camada de sal e formou-se em condições paleogeográficas especiais no Atlântico Sul, ocorre nas margens angolana entre dois mil e cinco mil metros abaixo do nível do mar, com elevado potencial para armazenamento de hidrocarbonetos. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH