Agências de notação estão em Angola para avaliar risco do país

17 March 2011

Luanda, Angola, 18 Mar – A notação que as três grandes agências de notação de risco irão dar a Angola será determinante para o volume de dívida que o país irá emitir no mercado internacional, disse ao semanário angolano Expansão o porta-voz do Ministério das Finanças.

Dizendo que representantes das três agências – Moody’s, Standard & Poor’s e Fitch Ratings – estariam em Angola a partir da passada quarta-feira, Bastos de Almeida adiantou que deverão ter em conta os mais recentes desenvolvimentos “positivos” na economia, nomeadamente a forma como Angola enfrentou a queda dos preços do petróleo, o facto de o mercado de divisas ter estabilizado, a reconstituição das reservas sobre o exterior e o reforço da posição fiscal do país.

Os aspectos negativos, adiantou o porta-voz, serão apenas “algumas dificuldades operacionais de curto prazo” que a produção petrolífera tem registado, nomeadamente no campo Grande Plutónio, operado pela British Petroleum, bem como uma taxa de inflação que ronda 15 por cento.

A Expansão adianta que com esse perfil mais positivo do que negativo, Angola pode preparar-se para receber uma notação de risco mais elevada e emitir com sucesso dívida com um valor próximo de 4 mil milhões de dólares, conforme o governo angolano sempre desejou.

No passado dia 4 de Março, o ministro das Finanças, Carlos Alberto Lopes, apresentou um quadro favorável em que as empresas de notação de risco vão encontrar a economia – uma dívida pública global de pouco mais de 26 mil milhões de dólares, o equivalente a cerca de 30 por cento do Produto Interno Bruto, abaixo do índice de referência que é de 50 por cento do produto. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH