Empresa de Taiwan apresentou proposta para gerir central térmica em São Tomé e Príncipe

31 March 2011

São Tomé, São Tomé e Príncipe, 1 Abr – O governo de São Tomé e Príncipe pretende privatizar a gestão da central térmica Santo Amaro à empresa Taiwan Electrical and Mechanical Engineering Services (TEMES) para garantir o abastecimento regular de energia eléctrica, disse quinta-feira em São Tomé à macauhub o ministro são-tomense de Obras Públicas.

Sem avançar o valor da oferta apresentada pela TEMES, Carlos Vila Nova adiantou que “a proposta da empresa taiwanesa está a ser analisada por uma equipa de técnicos são-tomenses” constituída no âmbito desse processo contratual.

A empresa TEMES foi a executora das obras de instalação da central térmica de Santo Amaro, com uma capacidade de 8,5 megawatts, construída de raiz há pouco mais de sete meses, com financiamento do governo de Taiwan estimado em cerca de 15 milhões de dólares no âmbito de cooperação bilateral.

A proposta da TEMES surge na sequência da incapacidade técnica e financeira da actual gestora da Santo Amaro, a Empresa Nacional de Água e Electricidade (Emae), de São Tomé e Príncipe, em garantir o fornecimento regular de energia eléctrica aos consumidores da ilha de São Tomé.

Com uma procura energética de 15 megawatts, São Tomé e Príncipe, através da Emae, tem capacidade para fornecer somente 12 megawatts, sendo 80 por cento na base de centrais térmicas e os restantes 20 por centro por hidroeléctrica sustentado por rios Contadores e Gueguê, situados nos extremos norte e sul da ilha de São Tomé.

Além de equipamentos e sistemas obsoletos da Emae, a situação de crise energética agravou-se há pouco mais de quatro semanas na sequência da subida de preço de combustíveis que sustentam as centrais térmicas da ilha de São Tomé com realce para a de Santo Amaro que nunca funcionou a cem por cento. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH