Gaseificação do carvão de Tete pode ajudar Moçambique a reduzir a factura com a importação de combustíveis

12 May 2011

Maputo, Moçambique, 13 Mai – A transformação de carvão com alto teor de cinzas em combustível líquido que a brasileira Vale pretende efectuar no âmbito do projecto de extracção de carvão mineral na província de Tete deverá ter um impacto positivo na balança energética de Moçambique, de acordo com o diário Notícias, de Maputo.

O empreendimento terá a capacidade para produzir 300 milhões de litros de gasóleo por ano, sendo que cerca de metade desse combustível se destina ao consumo pela Vale nas suas operações, sendo o remanescente colocado no mercado.

O presidente executivo da Vale, Roger Agnelli, que se deslocou a Moçambique para ao início formal da actividade da subsidiária moçambicana Vale Moçambique, disse na ocasião que o projecto de gaseificação do carvão com alto teor de cinzas encontra-se em fase de estudos, sendo que a sua execução vai contar com a parceria tecnológica de uma empresa portuguesa.

Ainda não são conhecidos os montantes que poderão estar envolvidos na materialização do projecto, devendo o orçamento ser ditado pelos estudos em curso.

“Estamos na fase de estudos que devem ficar concluídos dentro de meses. Vai ser o primeiro projecto do género em Moçambique e que ajudará o país a reduzir o défice decorrente das importações de derivados de petróleo”.

Em 2010, Moçambique importou combustíveis no valor de 530 milhões de dólares. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH