Administração Nacional de Estradas de Moçambique rescinde contratos com empresas

7 June 2011

Maputo, Moçambique, 8 Jun – Fraco desempenho, incumprimento de prazos e obras de má qualidade são algumas das razões que levaram a Administração Nacional de Estradas (ANE) a rescindir os contratos de empreitada com 12 empresas envolvidas em recuperação e manutenção de estradas, de acordo com o diário Notícias, de Maputo.

Em declarações ao jornal, o delegado da ANE na província da Zambézia, André Chachine, disse que a empresa Dalton Construções, que estava a efectuar a manutenção da estrada Mopeia/Posto Campo, viu o seu contrato rescindido devido ao mau desempenho e acrescentou que mais empresas, casos da Concreto, Tumbine Empreendimentos, Conse, Construções Rosyli e Padil Construções, foram já notificadas.

André Chachine disse, igualmente, que a fiscalização das obras, contratada à empresa Consultec, não foi eficaz, facto que resultou no incumprimento dos prazos e deficiente qualidade em alguns trabalhos.

O plano de manutenção de estradas para a província da Zambézia prevê, para o ano em curso, obras em mais de 4 454 quilómetros, que implicarão um investimento de mais de 188 milhões de meticais (cerca de 6,4 milhões de dólares).

Constante ainda desse plano a necessidade de ser exercida uma fiscalização mais rigorosa pelo facto de se ter constatado que em muitas obras públicas os trabalhos realizados não têm a qualidade desejada, facto que concorre para a sua destruição precoce.

Este factor tem afectado em grande medida a economia da província da Zambézia, pelo facto de os transportadores passarem por dificuldades para escoar a produção agrícola. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH