Macau pode ser “projecto-piloto” de entrada de exportações de Moçambique no mercado da China

25 July 2011

Maputo, Moçambique, 26 Jul – Macau pode servir de “projecto-piloto” de entrada das exportações de Moçambique no mercado da China, facilitando parceria empresariais entre as três partes, considerou segunda-feira em Maputo o Instituto de Promoção do Comércio e do Investimento de Macau (IPIM).

A função de Macau como plataforma do fluxo comercial entre Moçambique e China foi destacada pela administradora do IPIM, Echo Chan, durante o “Seminário sobre a cooperação económica, comercial e de serviços” entre a província chinesa de Guangdong, a Região Administrativa Especial de Macau e Moçambique, realizado em Maputo.

Segundo Echo Chan, a posição geográfica de Macau e os laços históricos que a região mantém com os países de língua portuguesa conferem-lhe um papel-chave na promoção dos vínculos comerciais e económicos com a China.

“Macau poderá servir de projecto-piloto para os produtos e serviços de Moçambique entrarem no mercado do interior da China. As empresas das províncias chinesas poderão igualmente estabelecer relações com as empresas dos países de língua portuguesa, através da plataforma de Macau ou por intermédio das convenções e exposições de natureza económica e comercial”, frisou Echo Chan.

Por seu turno, o director do Departamento de Cooperação Económica e do Comércio Externo do Governo da Província de Guangdong, Chen Xuequin, afirmou que os empresários moçambicanos podem tirar proveito da maior abertura que a economia chinesa está a promover, para firmarem parcerias e exportar a sua produção para o mercado asiático.

O presidente do Instituto de Promoção de Exportações de Moçambique (IPEX), João Macaringue, disse que Moçambique tem interesse em atrair os investidores chineses para se instalarem no país, por forma a que se reverta a balança comercial entre os dois países, neste momento favorável à China.

“Queremos que produzam em Moçambique o que exportam da China para Moçambique, porque essa abordagem vai equilibrar as relações comerciais e económicas entre os dois países”, sublinhou João Mararingue

A construção civil, indústrias têxtil e farmacêutica e comércio geral são as áreas de maior interesse da missão empresarial de Macau que esteve em Moçambique, encerrando uma deslocação à África, que incluiu Angola e África do Sul.(macauhub)

MACAUHUB FRENCH