Governo de Moçambique restringe captura de camarão de superfície

2 April 2012

A captura de camarão de superfície em Moçambique foi restringida após o Instituto Nacional de Investigação Pesqueira ter concluído que aquele crustáceo está prestes a atingir o limite de exploração, informou o vice-ministro das Pescas, Gabriel Muthisse.

Em declarações à agência noticiosa moçambicana AIM, o vice-ministro disse que a decisão de restringir as capturas foi tomada a fim de se preservar aquele recurso marinho e para evitar “o risco de se ter um desastre dentro de pouco tempo”.

Actualmente, Moçambique captura cerca de 12 mil toneladas de camarão por ano, sete a oito mil das quais explorados pelos operadores de pesca industrial e semi-industrial e o remanescente, calculado em quatro a cinco mil toneladas, capturado pelos pescadores artesanais.

Na semana passada, Moçambique atribuiu à Namíbia uma quota de pesca de 35 930 toneladas de diversas espécies, incluindo camarão, mas Gabriel Muthisse disse tratar-se de camarão de profundidade e não de superfície que, por ser mais fácil de capturar e exigir menos tecnologia encontra-se próximo da situação de ruptura.

A decisão do governo em limitar a exploração do camarão de superfície baseia-se nas conclusões dos cruzeiros realizados anualmente pelo Instituto Nacional de Investigação Pesqueira, que visam determinar os stocks existentes, que acabam por determinar as capturas máximas, o período de veda e o número de embarcações a usar. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH