Concessionária do porto de Maputo obteve lucros pela primeira vez em 2011

23 April 2012

A exploração do porto de Maputo proporcionou lucros em 2011, de 8 milhões de dólares, o que aconteceu pela vez na história da concessão, disse na passada quinta-feira o presidente do conselho executivo da Companhia de Desenvolvimento do Porto de Maputo (MPDC, na sigla em inglês).

Osório Lucas, antigo administrador da empresa estatal Portos e Caminhos de Ferro de Moçambique, realçou o facto de pela primeira vez na sua história a empresa ter apresentado lucros, num quadro em que as concessões do centro e norte de Moçambique só apresentam prejuízos, no decurso da II Conferência Anual do Porto do Maputo.

O presidente da MPDC realçou que os lucros alcançados serão reinvestidos na execução do plano director da empresa, no sentido do aumento de capacidade da infra-estrutura portuária, numa altura em que Moçambique precisa de tirar proveito do que designou por “localização estratégica” do país, face aos investimentos que a África do Sul anunciou ir efectuar no sector ferro-portuário.

Na ocasião, Osório Lucas disse que o crescimento do porto de Maputo só será possível se for encontrada um solução logística ferroviária para transportar, pelo menos, 36 milhões de toneladas até 2016, contra uma previsão de 16 milhões de toneladas de carga diversa em 2014 e de 40 milhões de toneladas em 2016.

O porto de Maputo gera 25% do total das receitas alfandegárias de Moçambique tendo, de 2003 a 2012, contribuído com 99 milhões de dólares para os cofres do Estado, através da participação na concessão da Portos e Caminhos de Ferro de Moçambique.

A Companhia de Desenvolvimento do Porto de Maputo é uma empresa privada que resultou da constituição, em 2003, de uma parceria entre a estatal Portos e Caminhos de Ferro de Moçambique, o grupo sul-africano de logística Grindrod e o grupo portuário DP World do Dubai. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH