Comissão Europeia aprova parceria na Angola LNG

17 May 2012

A proposta aquisição para controlo conjunto da empresa angolana Angola LNG pela BP do Reino Unido, Chevron Global Energy dos Estados Unidos da América, ENI de Itália, Total de França e Sociedade Nacional de Combustíveis de Angola (Sonangol) foi aprovada pela Comissão Europeia.

Depois de ter analisado o negócio ao abrigo do Regulamento de Fusões da União Europeia, a Comissão decidiu que a transacção não levanta problemas de concorrência devido à diminuta quota de mercado da parceria, à presença de um alguns concorrentes credíveis no mercado do gás natural e a capacidade inalterada das empresas concorrentes em procederem à re-gaseificação.

A parceria Angola LNG vai transformar gás natural, obtido a partir da produção de petróleo e transportado por gasodutos até à unidade de liquefacção em terra, em gás natural liquefeito, a ser posteriormente vendido a clientes em todo o mundo para posterior re-gaseificação.

No comunicado quarta-feira divulgado em Bruxelas, a Comissão, embora admitindo que os negócios em que alguns dos parceiros na Angola LNG acabam por se sobrepor, concluiu que a transacção não impedirá a concorrência efectiva na Área Económica Europeia no seu todo ou em parte-

Os grupos BP, Chevron, ENI e Total são operadores a nível mundial na exploração, produção, refinação e comercialização de petróleo e de gás natural enquanto a estatal Sonangol é o único concessionário para a exploração de petróleo e de gás no subsolo e na plataforma continental de Angola.

A Angola LNG é um consórcio entre a Sonangol que detém 22,8% e as empresas subsidiárias da Chevron (36,4%), Total (13,6%), BP (13,6%) e ENI (13,6%). (macauhub)

MACAUHUB FRENCH