Grupo chinês Lenovo quer começar a produzir computadores pessoais no Brasil

28 May 2012

O grupo chinês Lenovo pretende fazer aquisições no Brasil, a fim de aumentar a sua participação nos mercados emergentes fora da China, onde já é o maior fornecedor de computador pessoais em termos de facturação, noticiou o The Wall Street Journal.

Em declarações ao jornal, o presidente do grupo para a Ásia, Oceânia e América Latina, Milko Van Duijl, disse que a empresa, o segundo maior fabricante de computadores pessoais depois da norte-americana Hewlett-Packard, está a estudar a construção de um centro de produção no Brasil a fim de evitar os elevados impostos aplicados aos produtos importados.

“Estamos interessados em adquirir ou cooperar com as empresas que operam neste negócio no Brasil, mas não temos preferência por nenhuma em particular”, disse Van Duijl.

Aquele responsável disse ainda que sem uma base local de produção não há qualquer hipótese para o grupo, uma vez que depois de adicionar os impostos ao custo de produção dos computadores, produtos com margens de lucro muito pequenas, o preço deixa de ser concorrencial.

O grupo Lenovo, o maior fabricante de computadores pessoais da China, com uma quota de mercado de 30%, tem redobrado os seus esforços para expandir-se para outros mercados emergentes, como Índia, Indonésia, Brasil, Argentina e México, onde a procura deverá continuar a crescer.

No Brasil, a marca Lenovo estava no final de Março em 9º lugar das vendas a que corresponde uma quota de mercado de 3,6%, com uma operação que tem estado a registar prejuízos. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH