Presidente da Associação Industrial de Angola defende obrigatoriedade de parcerias para empresas que queiram operar em Angola

14 June 2012

O presidente da Associação Industrial de Angola (AIA), José Severino, defendeu quinta-feira em Luanda que a cooperação entre Angola e a China, embora excelente a nível de Estados, deve ser transversal e envolver empresas de ambas os países.

Em declarações à agência noticiosa angolana Angop sobre o desempenho das empresas chinesas em Angola, José Severino disse ser bastante positivo, havendo, no entanto, necessidade de se seleccionar com rigor as empresas que operam em Angola e fazer com que funcionem em regime de parcerias, em todos os domínios, com congéneres angolanas.

“A China é actualmente o maior parceiro económico de Angola em termos de investimentos, sobretudo em infra-estruturas, e nós temos de dominar cada vez mais a arte de gerir uma empresa”, realçou, observando, contudo, que as empresas chinesas em Angola estão muito cingidas a parcerias com o sector estatal.

Neste particular, destacou o ramo da construção civil, por ser o sector onde as empresas chinesas operam mais de forma isolada, não obstante incluírem “um ou outro cidadão angolano”.

O que tem de acontecer, advogou o presidente da AIA, é que quem vem investir em Angola deve obrigatoriamente fazer parcerias com empresas nacionais e o governo tem de possuir esta capacidade de negociação e de selecção rigorosa das empresas, “seja de que país forem”, que em Angola ajudam o desenvolvimento do país. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH