África Têxtil, de Angola, recomeçará a funcionar em 2014

15 July 2012

As obras de reconstrução e modernização da empresa África Têxtil, nos arredores da cidade de Benguela, deverão ficar concluídas dentro de dois anos, disse o responsável da empresa, Paulino Caita, citado pela agência noticiosa angolana Angop.

Envolvendo 200 trabalhadores, entre japoneses, sul-coreanos, chineses e angolanos, decorre neste momento a remoção de equipamentos obsoletos e a vedação circundando a fábrica, obras que foram adjudicadas ao grupo japonês Marubeni e que estão orçadas em 480 milhões de dólares.

O relançamento da África Têxtil, cujas obras de reconstrução e modernização são financiadas pelo governo do Japão, vai permitir criar 900 novos postos de trabalho, disse ainda Paulino Caita.

Inaugurada em 1974, a África Têxtil está paralisada desde 1998, tendo a falência total da unidade sido declarada em 2000, embora os acontecimentos que marcaram o ante e pós-independência de Angola, em 1975, tenham feito com que a fábrica iniciasse a laboração apenas em Abril de 1977.

A África Têxtil faz parte de um projecto mais vasto, que engloba ainda as empresas Satec e Textang, e que pretende fazer com que Angola volte a ter indústria têxtil.

A Textang deverá retomar o funcionamento em Agosto de 2013, iniciando nessa data a fiação de algodão, tecelagem, tingimento e estampagem de tecidos, para mais tarde começar com a produção, acabamento e fabrico de vestuário.

O espaço fabril, com uma dimensão de 30 mil metros quadrados, vai ser preenchido de máquinas e equipamentos de última geração de origem japonesa, fornecidas pela construtora Toyota.

A Marubeni, empresa contratada para executar este projecto, conseguiu obter um financiamento de 1,15 mil milhões de dólares para a recuperação e modernização das três unidades fabris. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH