Valor comercial dos hidrocarbonetos encontrados na zona conjunta Nigéria/São Tomé e Príncipe é ainda desconhecido

21 August 2012

As empresas que fazem prospecção de petróleo na zona de desenvolvimento conjunto Nigéria/São Tomé e Príncipe estão ainda por anunciar se os hidrocarbonetos encontrados têm ou não valor comercial, disse Olegário Tiny, director executivo dos recursos não-petrolíferos da Autoridade Conjunta.

“Em todos os furos realizados até agora na Zona Conjunta verificou-se a existência de hidrocarbonetos, gás ou petróleo, mas a questão que se coloca actualmente é saber se esses depósitos têm ou não valor comercial”, disse Olegário Tiny à Portuguese News Network.

Há aproximadamente um mês, terminaram as operações relativas aos furos no Bloco 1, na Zona de Desenvolvimento Conjunto, em que a empresa francesa Total é a principal operadora e os resultados obtidos confirmaram os dados anteriores.

“Dos resultados obtidos, também se concluiu que poderá ser de interesse para ambas as partes aprofundar os estudos no bloco porque o potencial existente aponta para a possibilidade de melhores resultados do que os até agora alcançados”, acrescentou.

As empresas estão a trabalhar em vários blocos mas depositam-se grandes esperanças no Bloco 1, também conhecido por “Obô”, que está ligado com um outro do lado nigeriano, o 246, que está a ser explorado igualmente pela Total.

Por isso, a petrolífera francesa adquiriu a posição que o grupo norte-americano Chevron tinha anteriormente no Bloco 1, de modo a criar sinergias entre os dois blocos para conseguir resultados mais interessantes. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH