Hidroeléctrica de Cahora Bassa de Moçambique com bons resultados nos últimos cinco anos

19 February 2013

A Hidroeléctrica de Cahora Bassa (HCB) obteve as suas maiores receitas nos últimos cinco anos, após a transferência para Moçambique da gestão da empresa, disse o presidente Paulo Muxanga em declarações ao jornal moçambicano “Domingo”.

Garantindo que o balanço dos cinco anos desde a transferência da administração de Portugal para Moçambique “é francamente positivo”, Muxanga disse ainda que a empresa tem vindo a facturar anualmente cerca de 300 milhões de dólares.

A Hidroeléctrica de Cahora Bassa vende cerca de 70% da energia produzida para três grandes consumidores de electricidade, África do Sul, Zimbabué e Botswana.

No entanto, o presidente da HCB revelou que a central hidroeléctrica continua a ter como ponto fraco a subestação conversora do Songo (em que a corrente alterna proveniente da central sul é convertida em corrente contínua para injecção nas linhas de transmissão), “situação que remonta desde a década de 90 do século passado.”

Muxanga adiantou ser necessário proceder à modernização dos equipamentos existentes no aproveitamento mas salientou que seriam necessários grandes investimentos, atendendo a que apenas a substituição da estação conversora custaria 120 milhões de dólares.

Nos termos de um acordo alcançado entre os governos de Portugal e de Moçambique, o Estado moçambicano passou a deter 85% do capital social da Hidroeléctrica de Cahora Bassa, tendo mais tarde o Estado português cedido a restante participação de 15%, metade a Moçambique e a outra metade à empresa portuguesa Redes Energéticas Nacionais. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH